Noticias

logo ILGA

Notícias: Nacionais

Os consumidores gays "têm como principal problema a invisibilidade"
2018-01-07
Os consumidores gays
Carlos Sanches Ruivo quer que a Associação Empresarial Variações promova Portugal como destino turístico LGBTI (sigla para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais) de referência. O projecto é apresentado no dia 11 de Janeiro, em Lisboa, e reúne para já 20 empresas.
 
O presidente da direcção da nova associação explica que "a população LGBTI tem mais poder económico, um nível de formação superior, ganha mais e também gasta mais em cultura, viagens, restaurantes e roupas", pelo que representa um "nicho de mercado" com grande "potencial de crescimento". Lançar a campanha "Proudly Portugal” e preparar uma candidatura portuguesa à organização do Europride em 2021 são duas das prioridades. Quer também criar um comité empresarial para incentivar diversidade e inclusão nas empresas e apoiar as PME´s e os trabalhadores do sector LGBTI para que tenham os mesmos direitos que os heterossexuais.
 
Porque é que se lembrou de criar a Associação Empresarial Variações — Associação de Comércio e Turismo LGBTI de Portugal?
Foi um conjunto de ideias que estiveram na sua origem. Primeiro, há muitos anos que tinha a referência do Sindicato Nacional das Empresas Gays, que foi criado há duas décadas, em Paris, mas por razões diferentes das que movem agora a Variações. Naquele tempo, preocupava-os a segurança e queriam evitar discriminação. O sector não estava tão estruturado como agora.
Depois, conheci há dois anos o Diogo Vieira da Silva, o agora director executivo da nossa Variações, que, por essa altura, estava à frente da organização portuguesa Tudo vai melhorar, que ajuda jovens LGBTI. Ele já tinha esta ideia de potenciar o sector LGBTI. Desafiei-o a juntar-se à equipa do meu hotel The Late Birds Lisbon, que é a primeira unidade hoteleira, em Lisboa, sob a forma de Gay Urban Resort direccionado para o público gay. Depois conhecemos donos de bares e restaurantes que já tinham tentado criar uma organização.
Todo este conjunto de factores contribuíram para a criação da associação assim como um almoço informal que tivemos com responsáveis de estabelecimentos LGBTI que desafiamos a criar uma estrutura para aproveitar o potencial económico do sector. Portugal está cada vez mais no mapa mundial.
 
Qual a importância desta associação?

Se 10 da população mundial é LGBTI, e tendo isso por base, logo em Portugal existem pelo menos um milhão de consumidores LGBTI, a que se podem somar mais dois milhões de turistas LGBTI que, por ano, visitam o país. Estima-se uma receita de dois mil milhões de euros no sector, que representa um nicho de mercado com mais potencial de crescimento a nível global e com uma rentabilidade acima da média.
O sector económico LGBTI tem um valor acrescentado superior e o turismo pode crescer mais neste sector. Por isso, criámos esta associação. Também já há um trabalho feito em Portugal que lhe dá maior visibilidade no estrangeiro, como por exemplo, o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
 
E pretendem aproveitar isso?
Queremos potenciar uma experiência aos turistas LGBTI. Portugal está na moda por ser mais seguro ou por ter praias limpas e fabulosas, como as de nudismo onde a população gay está mais presente. As modas passam e é preciso fidelizar o turista. Por isso, estamos a criar uma rede de serviços de qualidade para que o turista regresse, envolvendo uma espécie de circuito com hotéis, bares, restaurantes, saunas, etc.
 
A população LGBTI tem mais poder económico do que a heterossexual?

São dados mundiais que nos dizem que a população LGBTI tem mais poder económico, um nível de formação superior, que ganha mais e também gasta mais em cultura, viagens, restaurantes e roupas. Viaja muito porque tem mais tempo, é mais independente, muitos deles não têm filhos. Atenção que não estou a fazer qualquer tipo de discriminação.
 
Porquê o nome Variações?
É uma homenagem ao artista António Variações, uma figura do mundo LGBTI e que foi pioneiro no tempo dele, em Portugal, tal como queremos ser com esta associação. Variações também em alusão à variedade, pois queremos ser uma associação que vai juntar bares, hotéis, discotecas, tours, etc. Já somos mais de 20 associados. Os membros são, por exemplo, o meu hotel The Late Birds Lisbon, as discoteca Trumps e Finalmente, os bares TR3S e Bar106, a sauna Trombeta Bath, em Lisboa. Assim como Lisbon & Porto Gay Circuit — Mapas Turísticos e a agência de viagens Alethea Travel, em Braga.
A associação será uma voz no sector económico. Não vamos intervir a nível social, que é o papel de associações como a ILGA Portugal ou a Rede Ex-Aequo (associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, trans, intersexo e apoiantes). Mas podemos ter uma acção indirecta com apoio a iniciativas sociais.
Por exemplo, uma das prioridades é criar a campanha e marca “Proudly Portugal” para estruturar e organizar a oferta, e promover o país na área de eventos LGBTI internacionais. E, com isso, preparar uma candidatura portuguesa à organização do Europride, em Lisboa, em 2021, à qual a ILGA ou a Câmara Municipal de Lisboa, as secretarias de Estado do Turismo e da Igualdade devem estar obviamente associadas. Podemos ter mais de 500 mil pessoas a participar, durante uma semana, em eventos associados ao Europride. O que representa um fluxo económico muito importante num país como Portugal.

Como pretendem promover a marca “Proudly Portugal”?
Estando presentes em feiras de turismo internacionais, o que poderia acontecer com uma parceria com o Turismo de Portugal. Também pretendemos criar eventos à volta do Festival da Eurovisão de 2018, porque sabemos que é um dos que a comunidade LGBTI mais frequenta. E vamos criar iniciativas paralelas ao festival Queer Lisboa, que exibe filmes desta temática. Queremos estar presentes, em Agosto deste ano, nos Gay Games Paris 2018, os jogos gays mundiais, nos quais participa, pela primeira vez, Portugal com equipas dos Boys Just Wanna Have Fun (equipa LGBTI de Lisboa) entre mais de 15 mil participantes.
 
Quais os principais problemas que Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais enfrentam em Portugal?

Estas são questões ao nível de actuação de organizações como a ILGA Portugal. Mas vamos apoiar na mesma, abordando mais a questão económica. Ou seja, vamos criar o comité empresarial, que é a segunda prioridade da associação, para incentivar as empresas a praticarem políticas de diversidade, inclusão e igualdade dos seus trabalhadores LGBTI. Há estudos que demonstram que as empresas que o fazem, têm mais produtividade e estas pessoas tornam-se um motor de vantagem competitiva para a empresa.
Já abordámos o banco francês BNP Paribas, a Vodafone, a IBM nesse sentido. Embora estejamos ainda numa fase embrionária, gostaríamos de propor a estas empresas que assinem uma carta da diversidade para a comunidade LGBTI à semelhança da que foi criada pela Secretaria de Estado da Igualdade. Isto para que, por exemplo, um trabalhador LGBTI casado possa ter os mesmos direitos que um outro que tenha um casamento heterossexual.
 
A Variações está preocupada com este facto?
Os consumidores e trabalhadores LGBTI têm como principal problema a invisibilidade. Um trabalhador LGBTI, por vezes, tem de “esconder” a sua identidade no local de trabalho e isso — tal como demonstrado em vários estudos científicos — traz constrangimentos na sua produtividade. A Variações dará instrumentos ao tecido empresarial para haver uma gestão para a diversidade e aumento da produtividade. Por outro lado, os consumidores não são por vezes percepcionados pelos agentes económicos como potenciais clientes e criadores de mais-valia. O papel da Variações passará por revelar esse facto e ajudar as empresas a criar estratégias para este target.
 
Que mais iniciativas pretendem implementar?
A nossa terceira prioridade é apoiar as PME´s e os trabalhadores directamente dedicados ao sector LGBTI. Por exemplo, eu tenho um hotel destinado a um público gay masculino, com 12 funcionários, e não os recruto exclusivamente na comunidade LGBTI. Mas têm de saber agir, reagir e interagir com este segmento de mercado do hotel sem discriminar.
 
Mas como querem marcar terreno em Portugal?

Queremos colocar Portugal no mapa LGBTI e ser o interlocutor nacional e internacional. Se o Turismo de Portugal quiser fazer uma campanha direccionada a este público, podemos ser bons interlocutores para ajudar a desenvolver algo de qualidade. A associação está disposta a colaborar com o Governo e entidades como o Turismo de Portugal e a TAP para ajudar a desenvolver e tornar sustentável este sector económico, porque somos os interlocutores directos.
 
Como acham que a sociedade vai reagir à criação desta associação?

Já sabemos que vamos ter reacções positivas e negativas. O sector do turismo é importante e gostaríamos de ter uma boa recepção e apoio da parte do Turismo de Portugal e da TAP, porque a comunidade LGBTI tem peso na economia. Mas também estamos à espera de reacções negativas, como vemos algumas nas redes sociais. Não quero perder tempo com e reacções mal-educadas e polémicas.
 
E a Igreja portuguesa?
Da parte da Igreja não imagino qual será a reacção.
 
O que é que Portugal tem para ser um destino simpático para os LGBTI de outros países? Já é um destino de eleição?
Já é um destino de eleição LGBTI. Surgimos como 15.º melhor destino turístico LGBTI no mundo.
 
Garantem que os negócios e o turismo em Portugal estão a crescer no segmento LGBTI. Têm números?
Infelizmente ainda não existem números oficiais que espelhem a realidade nacional, sendo esse um dos objectivos da Variações, ou seja, mapear a economia LGBTI em Portugal. Mas, tal como é referido por Taleb Rifai, secretário-geral da Organização Mundial do Turismo, na apresentação do segundo Relatório Mundial sobre Turismo LGBTI “nos últimos anos, o turismo LGBT experimentou um crescimento contínuo, sendo hoje amplamente reconhecido como um segmento importante e promissor do turismo em todo o mundo. Este segmento pode ser um veículo poderoso para o desenvolvimento económico, a inclusão social e a competitividade dos destinos turísticos".
Podemos afirmar que, em Portugal, existirão pelo menos um milhão de potenciais consumidores e que dos 20 milhões de turistas que, todos os anos, visitam o país, só dois milhões serão turistas do segmento LGBTI, o que perfaz um volume de facturação do sector na ordem dos dois mil milhões de euros.

Esse crescimento também se deve à procura do segmento LGBT para casar no nosso país?
Em parte, mas não só. Portugal é visto, de forma geral, como um belo país, seguro, de mente aberta, com uma genuinidade e naturalidade que são vantagens competitivas no sector turístico que temos de manter como exclusividade da imagem de Portugal, também para o público LGBTI.
 
 
In Público 7 de janeiro de 2018.
 
logotipo do facebook logotipo do twitter logotipo do delicious
PESQUISAR NOTÍCIAS
NOTÍCIAS
2018
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2017
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2016
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2015
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2014
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2013
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2012
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2011
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2010
Dezembro
Novembro
Outubro
Setembro
Agosto
Julho
Junho
Maio
Abril
Março
Fevereiro
Janeiro
2009
Novembro
Setembro
Agosto
Julho
2006
Julho
Junho
Contacto e Sugestões | Avisos Legais | English