SOS Ucrânia | SOS Україна | SOS Ukraine

Support for Ukrainian LGBTI+ people

Apoio às pessoas LGBTI+ Ucranianas

Підтримка українських ЛГБТІ+
Незабаром інформація буде перекладена

English

ILGA Portugal Association regrets and strongly condemns the military aggression against Ukraine. This action puts all people in the territory at risk, especially activists and people of various minorities, including LGBTI+ people.

Like other organizations, we are continuously assessing the situation in Ukraine, which is changing very quickly.

We are in contact with activists and organizations that support the LGBTI+ population in Ukraine – and in border countries – to better understand the type of needs and help that can be given.

In Portugal, the Ukrainian community represents the second-largest migrant community, therefore, we estimate that a large number of LGBTI+ persons should arrive in the next upcoming weeks.

Knowing that individual communication channels with our safe people are also the safest channels, we have summarised on this page a set of relevant information to reach people who need it.

We remind you and reinforce that this information doesn’t replace official channels, and they can change quickly – we will try to keep this information updated as fast as we are able.

Português

A Associação ILGA Portugal lamenta e condena veementemente a agressão militar à Ucrânia. Esta ação coloca em risco todas as pessoas no território, especialmente pessoas ativistas e de várias minorias, incluindo pessoas LGBTI+.

Assim como outras organizações, estamos a avaliar continuamente a situação na Ucrânia, que se altera muito rapidamente.

Estamos em contacto com ativistas e organizações que apoiam a população LGBTI+ na Ucrânia – e nos países fronteiriços – para melhor perceber o tipo de necessidades existentes e que ajuda pode ser dada.

Estima-se que existam mais de 4 milhões de pessoas LGBTI+ na Ucrânia e praticamente todas a viver sob condições de invisibilidade, de isolamento e de muita insegurança em período de paz, e ainda mais impactadas em cenário de guerra.

Os quatro países da União Europeia que fazem fronteira com a Ucrânia – Polónia, Eslováquia, Hungria e Roménia –, assim como os restantes países – Moldávia, Bielorússia e Rússia – também não são países que garantam a igualdade de direitos às pessoas LGBTI+.

Em Portugal, a comunidade ucraniana representa a segunda maior comunidade migrante, estimando-se, assim, a chegada de um enorme número de pessoas em fuga, incluindo de pessoas LGBTI+.

Algumas destas pessoas serão recebidas pelas suas redes familiares e de amizade, mas nem sempre em ambientes acolhedores e de segurança das suas identidades.

Sabendo que os canais de comunicação individuais com as nossas pessoas de referência são também os canais mais seguros, sintetizamos nesta página um conjunto de informações relevantes que podes fazer chegar a pessoas que delas necessitem.

Lembramos e reforçamos que estas informações não substituem canais oficiais e que podem mudar rapidamente – tentaremos manter estas informações atualizadas com a maior brevidade possível.