O seu donativo poderá ser feito através de: - transferência bancária para a conta bancária com o NIB 0035 0697 0063 1490 4306 4 – Associação ILGA Portugal - cheque, emitido a favor de ‘ILGA Portugal’ - e Paypal
Agradecemos o envio de comprovativo e indicação de NIF para ilga@ilga-portugal.pt – a Associação enviar-lhe-á o recibo do seu donativo para dedução na declaração de IRS.You can donate by: - bank transfer (NIB 0035 0697 0063 1490 4306 4 – Associação ILGA Portugal) - cheque made out to 'ILGA Portugal' - and Paypal
In order to receive a tax receipt, please send proof of transfer and your fiscal number to ilga@ilga-portugal.pt.

Palco

2 articles

Johnny Hooker

 

Créditos: Diego Ciarlariello

Depois de realizar mais de 45 concertos e alcançar o impressionante número de 80 mil espetadores pelas várias capitais que acolheram os seus espetáculos, Johnny Hooker despede-se da tour do seu segundo e aclamado disco “Coração”.

O álbum, lançado em agosto de 2017, trouxe músicas de grande sucesso como: Flutua (com Liniker), Corpo Fechado (com Gaby Amarantos), Caetano Veloso, entre outros hits que fizeram deste espetáculo um dos mais aclamados da nova Música Popular Brasileira (MPB).

“Uma mulher em fúria no corpo de um homem com os olhos marejados de lágrimas”: é assim que se define o cantor e compositor pernambucano vencedor do Prémio da Música Brasileira de Melhor Cantor e que tomou o mercado musical de surpresa com o seu primeiro álbum a solo “Eu Vou Fazer uma Macumba pra te Amarrar, Maldito!”, eleito pela revista Rolling Stone como um dos melhores discos do ano. Em “Coração” Johnny mistura samba, brega, frevo, a guitarrada e o axé numa reafirmação identitária do próprio país, fazendo uma música que é assumidamente nordestina, que desafia gênero e linguagem, questionando a própria identidade da música brasileira.

A vinda deste artista brasileiro reveste particular relevância no atual contexto político no Brasil, com alarmantes retrocessos na garantia dos Direitos Humanos. Com este convite, a ILGA Portugal reforça a sua tomada de posição solidária junto das associações e movimentos locais e nacionais deste país, dando palco à reivindicação do direito de manter uma vida digna, segura, livre de violência e de discursos ou crimes de ódio por parte da população brasileira e/ou residente neste país.